Todos os textos contidos neste blog são de propriedade intelectual da autora. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

A montanha russa de Gene Tierney

Ela deu á luz a uma filha com problemas mentais, surda e parcialmente cega, aos 23 anos. Amava o pai, mas um dia deu o flagra nele e descobriu que ele estava tendo um caso com uma amiga de sua mãe. O pai também a roubou, retirando todo o dinheiro da conta, que administrava. Gene descobriu quando foi pegar o dinheiro para ela, querendo castigar Howard por se opôr a seu romance com o estilista Oleg Cassini. Howard Hugues disse a ela que o quadro de saúde da filha Daria era irreversível. Realmente não teria como alguém escapar dessa tragédia ileso. Mas ela escapou. Por volta de 1950, enquanto filmava "O Gaúcho", começou a sofrer de confusão mental, achando que seus colegas estavam contra ela no set de filmagens. Bom, não se sabe se isso realmente aconteceu...Por causa disso foi internada em uma instituição para tratamento psiquiátrico.
Mas o caso de Daria é um capítulo à parte na vida de Gene. A menina nasceu com todos esses problemas por causa da rubéola que Tierney pegou de uma fã, que queria muito conhecê-la, e que acabara de sair de uma base americana às escondidas só para vê-la. A atriz descobriu isso tempos depois de dar à luz a Daria, através da própria fã e ficou devastada, achando que era a culpada pela desgraça da filha. Definitivamente, o problema de Daria tinha se instalado na vida de Gene....e ela jamais esqueceria. Tierney é o tipo de atriz que nos deixa mais calmo ao vê-la. Tudo nela lembra tranquilidade: sua aparência, seu semblante, seu modo de falar, seus gestos diante das câmeras e sua maneira de andar. E é irônico que uma atriz que tenha passado tanta ternura tenha vivido uma vida contrária a tudo isso que sentimos quando a olhamos. Um dos fatos mais intrigantes da vida de Gene foi o fato de, no início da carreira ter sido "aconselhada" pela FOX a começar a fumar para engrossar sua voz. O motivo dessa decisão, que em 91 a levaria à morte aos 70 anos, de Enfizema, foi o fato de uma revista da época ter arrasado a atriz em sua estréia ao lado de Henry Fonda no filme O RETORNO DE FRANK JAMES. A crítica da época a colocou na lista das dez piores descobertas do ano de 1940, o que a deixou muito triste, principalmente quanto à sua voz na tela grande. Tierney achou que seu timbre de voz era a de uma minnie mouse irritada. O filme, apesar de todos os problemas para a atriz, foi um enorme sucesso e sua carreira começou a crescer cada vez mais. Dentre seus trabalhos mais marcantes estão LAURA(1944), AMAR FOI MINHA RUÍNA(1945), O FIO DA NAVALHA(1946), A LADRA(1949), O DIABO DISSE NÃO(1943), BELLE STAR(1941), TOBACCO ROAD(1941), THE SHANGAY GESTURE(1941), THE SON OF FURY(1942), THE GHOST AND MRS.MUIR(1947), dentre outros. Durante as filmagens de the DRAGONWICK(1946) Gene conheceu um jovem inteligente e promissor que passava pelo set na ocasião. Era John Fitzgerald Kennedy. Os dois começaram um caso de amor, apesar de Tierney ainda estar legalmente casada com Oleg cassini. Só que quando Kennedy se lançou na política disse que não podia se casar com ela porque atrapalharia seus planos, já que era uma mulher divorciada. Isso com certeza foi um golpe terrível. Continuarei a falar de Gene Tierney nos próximos posts. Sua história é muito trágica mas ela sobreviveu a tudo. O único que conseguiu derrotá-la foi o cigarro. Acho que Gene merece uma atenção especial. Uma fantástica atriz que mudava com sutileza seus personagens e arrebatava multidões com sua beleza.

* Esta é uma repostagem de um antigo blog meu que foi fechado.

5 comentários:

As Tertúlias... disse...

???? Eu nao tinha deixado um comentário, querida????? How strange...

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Dani, você quer me matar do coração. Amo perdidamente Gene Tierney. É uma das minhas atrizes preferidas. Ainda pretendo ter todos os seus filmes (estou chegando perto).
Mas não concordo quando diz que ela passa tranqüilidade, muito pelo contrário. Os seus olhos são tristes, tem a expressão de estar distante de tudo. Notei que depois de 1949, ou melhor, depois de O FANTASMA APAIXONADO, ela perdeu a força dramática, parecia só co-protagonizar, sem qualquer intensidade, revelando muita infelicidade.
Beijos. Parabéns pelo post

www.ofalcaomaltes.blogspot.com

Júnia disse...

A primeira vez que vi Tierney foi no filem
O Fantasma Apaixonado(The Ghost and Mrs. Muir), na velhão Sessão da Tarde do início da década de 80. E foi paixão a primeira vista fiz uma postagem sobre o filme no meu blog.
"Gene Tierney com sua beleza tristonha e finalmente bem utilizada, interpreta uma jovem e bela viúva..."
http://vintageeblog.blogspot.com/2010/07/o-fantasma-apaixonado-ghost-and-mrs.html

Daniele Moura disse...

Ricardo, do "Tertúlias", você tem email? Quero te mandar um.
Um abraço
Dani

Daniele Moura disse...

Júnia,
por coincidência, o primeiro filme que vi da musa Gene Tierney foi O FANTASMA APAIXONADO. Me lembro que comprei o filme, não me lembro bem porquê, já que não conhecia nada dela. Isso foi há alguns anos. Acho que , na minhas idas à Fnac, olhei o resumo do filme na parte de trás do estojo e fiquei intrigada com a história. Adoro essas histórias de casas mal-assombradas e o fato dele ser dos anos 40 me empolgou muito, pois geramnete a fotografia desses filmes , em especial nesta década era fantástica. Quando coloquei para ver, me encantei logo com a beleza dela, mas na primeira cena, não gostei de sua voz, me parecia muito fina e estridente. mas ao longo do belíssimo filme, também percebi a delicadeza desta atriz e sua habilidade de cativar a audiência. Logo me acostumei com sua voz e me tornei fã. Hoje coleciono seus filmes.
Um abraço,
Dani