Todos os textos contidos neste blog são de propriedade intelectual da autora. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Os Desajustados Planos

Escrito por Arthur Miller e dirigido por John Houston, "Os Desajustados" estreou em 61, após 3 anos de trabalho árduo. O papel que Marilyn interpretou, Roslyn Tabor, fora um presente do dramaturgo à esposa, e pelas suas falas ficou claro que aquela era a história de vida de marilyn, ou pelo menos parte dela. O fato é que ela se sentia profundamente infeliz durante as filmagens. Era desconcertante interpretar ela mesma, com uma história de vida que a machucou tanto e que a perseguiu até seus últimos dias. Deve ter sido horrível filmar a cena em que Clark Gable a pergunta:
__O que a torna tão triste? Acho que é a mulher mais triste que já conheci.
__Ninguém jamais me disse isso antes.
Seu amigo Rupert Allan, que assistiu às filmagens, recorda que presenciou uma atriz triste, que chorava escondida pelos cantos, profundamante infeliz. Suas palavras retratam exatamente o que acontecia:
"Tínhamos os nossos compromissos com o filme , e o próprio filme se tornara seu inimigo". Apesar de ser uma de suas melhores performances e um de seus melhores filmes, o fato de Miller ter buscado coisas íntimas de Monroe para escrever "Os desajustados" a deixou magoada e só veio  reforçar o que ela tinha dito dez anos antes, no texto abaixo:


Mas afinal, o que é "ser alguém"?

"...não tinha amigos. Tive mestres e pessoas que podia olhar como exemplos...mas ninguém a quem pudesse olhar de igual para igual. Sempre achei que não era ninguém, e que a única maneira de ser alguém era...ora, era ser outra pessoa. Provavelmente era por isso que eu queria representar." Este é um pequeno depoimento de Marilyn que ela concedeu mais tarde à imprensa sobre a época de "Love Nest" e "O Inventor da Mocidade".
Acredito que funciona assim com todos nós. Na vida sempre temos pessoas como exemplos a serem seguidos, mas alguém que combine conosco é muito difícil de encontrar. No caso de Marilyn isso se tornava mais grave pela noção de família que ela não teve. Seu pai jamais quis vê-la e sua mãe viveu a vida inteira presa em um sanatório.

2 comentários:

Júnia disse...

Como Marilyn deu problema nas gravações do filme né!?
Não podemos poupar Montgomery tadinho...
Marilyn coitada... tava em uma de sua piores crise depressiva. Colapsos nervosos, internação para desintoxicação e ainda curtia fossa pelo Montand
Você viu como nesse filme ela apareceu já bem mais gordinha na cena da praia juntamente com Gable?
Mesmo com as criticas nada favoráveis eu amei Os Desajustados, acho que cada um ali naquele momento vivia seu momento literalmente DESAJUSTADO...
Bjos

Daniele Moura disse...

Sabe que eu não entendo o porquê das críticas desfavoráveis a este filme? O roteiro é bom, os atores são bons, a fotografia é riquíssima(belíssima Nevada). E todos ali estavam em um bom momento artístico. Tirando Thelma Ritter e Monty Clift, que eram mais respeitados como atores pela crítica e não eram apedrejados, podemos citar o crescimento de Marilyn, que deu um show de sensibilidade com seu personagem. Um capítulo à parte é Gable, que a vida inteira interpretou sempre do mesmo jeito, em seu último filme, consegue mudar e fazer uma bela performance. Isso sem falar que conseguir atuar bem em meio à problemas pessoais não é fácil. Especialmente no caso de Marilyn, que tinha brigas no set com Arthur Miller: ainda dizem até hoje que ela não era atriz... Então tá.
Bjos