Todos os textos contidos neste blog são de propriedade intelectual da autora. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização.

domingo, 17 de julho de 2011

Dorothy Sebastian: de Boa Moça, Vamp à Lady of Burlesque

Já havia postado uma brevíssima homenagem à Dorothy Sebastian aqui no Tela Prateada, com um texto curtíssimo, pois muito pouco sabia de sua história. O link está http://telaprateada.blogspot.com/2010/11/dorothy-sebastian.html

O fato é que, de certa forma, esta pequena atriz de 1,60cm me encanta. Só a vi nos filmes de Garbo em que ela fez boas moças: A WOMAN OF AFFAIRS e THE SINGLE STANDARD. Descobri recentemente que a carreira de Dorothy em Hollywood  foi muito mais do que mocinhas casadas com as paixões antigas dos personagens de Garbo e contarei um pouco sobre ela a seguir.
Dorothy e sua beleza delicada
Em 1925, Dorothy já havia engressado no showbuziness como corista de George White's Scandal. A revista estreou no ano anterior e teve quase 200 apresentações. Um dia, numa festa no Ritz, ela conheceu o magnata Lord Beaverbook, que lhe apresentou a vários contatos importantes da indústria cinematográfica. Ela assinou contrato com a MGM neste mesmo ano de 1925, mas sua carreira no estúdio foi curta. Dorothy teve seu ápice entre os anos de 1925 a 1930. Neste período ela teve uma relação amorosa com Buster Keaton, o que lhe rendeu parceria em 2 filmes - FREE AND EASY, com Anita Page e SPITE MARRIAGE.
Já com Joan Crawford, Dorothy fez dois filmes: MONTANA MOON, duramente recebido pela crítica da época e o musical OUR BLUSHING BRIDES, também com Anita Page( a estrela de MELODIA DA BROADWAY DE 1929). Encontrei fotos tiradas por Harriet Sinclair Bull de um filme perdido chamado BURIED TREASURE. Abaixo, as fotos:


Sequência de Harriet Sinclair Bull
Estranhamente, Dorothy Sebastian normalmente recebia papéis secundários na Metro e depois que seu contrato venceu, sua carreira, que havia sido regular nos anos 20, se tornou quase nula. Ela participou de grandes produções como THE WOMEN(1939) e REAP THE WILD WIND, com John Wayne e Paulette Goddard, porém, suas participações eram tão pequenas que é até difícil notá-las. Isso ao ponto de participar do clássico de frank Capra, A FELICIDADE NÃO SE COMPRA(1946), mas ter sua cena com Gloria Grahame cortada no final, na sala de edição.
Filha de um pastor com uma pintora, Stella Dorothy Sabiston nasceu no Alabama, em 1903, mas no início dos anos 20, foi para Nova York tentar seguir o sonho de ser atriz, sempre presente em sua vida, na época em que estava na escola.Seu primeiro emprego foi como dançarina acrobata na escola Ned Wayburn, já como Dorothy Sebastian. Foram apenas 5 anos de contrato com a MGM e após pedir um aumento e não ter sido atendida seu futuro passou de incerto a este citado no parágrafo anterior. Não se sabe se Dorothy foi negligenciada pelo simples fato de não ter conseguido alcançar o estrelato ou se os anos pioraram sua situação com os processos judiciais de seu ex-marido ou talvez o episódio que ocorreu depois de uma festa na casa de Buster Keaton, no qual foi pegapela polícia, dirigindo alcoolizada. Importante lembrar que este incidente foi no final dos 30. Em seu auge, no anos 20, Dorothy fez papéis diversos, da garota de família à vamp, passando de artista do burlesco à pin up. Abaixo, alguns momentos:

LADY OF BURLESQUE



NO CINEMA COM...

COM WILLIAM BOYD

COM ANITA PAGE E JOAN CRAWFORD

COM ANITA PAGE E JOAN CRAWFORD

COM BUSTER KEATON
COM GRETA GARBO

NOVAMENTE COM JOAN CRAWFORD
Devendo contas de hotel, além dos escândalos já citados, seu nome passou a figurar nas manchetes de jornal ao invés de estar nas marquises de cinemas. Seu ex William Boyd continuou a processá-la durante os anos. Com o tempo, ninguém se lembrava mais dela. A atriz morreu de câncer em agosto de 1957, na Califórnia. A seguir, algumas fotos de Dorothy como pin up:



VAMP...


5 comentários:

M. disse...

Maravilhoso texto e fotos! Eu não sabia nada dessas informações. Grande pesquisa! Um abraço e ótimo domingo.

Daniele Moura disse...

Olá, M!
Sempre bom ter você por aqui!
Então, eu tenho um fascínio pela era do cinema mudo desde criança. Recentemente vi os filmes mudos de Garbo, graças à minha querida Fabbiana, fã de Greta e notei Dorothy. Me chocou saber que a história dela não foi tão fácil assim, como tantas outras. O meu próximo passo é saber por que o ex-marido William Boyd a processava tanto. Por que será?
Um ótimo domingo e um abraço
Dani

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Ótimo post, Dani. Nunca vi nenhum filme com a Dorothy. Não lembro dela em AS MULHERES ou VENDAVAL DE PAIXÕES.
Abraços e venha recordar seus "vilões favoritos",

O Falcão Maltês

Daniele Moura disse...

Antonio, vc a verá melhor nos filmes mudos. Nestes que você citou, Hollywood a sacaneou e é praticamente impossível notá-la. Se vc tiver a oportunidade de ver A Mulher Singular, com Garbo, por exemplo, você certamente a verá bastante.
Bjo

siby13 disse...

Belíssima matéria querida.
Dorothy desperta aquela vontade de ter vivido nos anos 30/40.
Fico fascinada pelo cinema desta época justamente por ter uma diversidade de atrizes que a meu ver além de atuarem praticavam a magia nas telas. rs Beijos e um feliz 2013!