Todos os textos contidos neste blog são de propriedade intelectual da autora. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização.

domingo, 23 de outubro de 2011

Meus bons sonhos: Miss Vivien Leigh

Foi mais ou menos assim que Vivien se apresentou no sonho
Há algum tempo decidi colocar meus sonhos com artistas que me são muito queridos, aqui neste espaço. Escrever sobre nossos sonhos não é nada fácil. É preciso coragem para revelá-los ao público, já que boa parte traz junto muito da nossa personalidade. Os sonhos revelam um pouco de quem somos, detalhes do nosso íntimo e até o subconsciente. Como tenho, sim, coragem para expô-los aqui, me faltou a decisão. E aqui está: lembranças vagas de um encontro em sonho, porém maravilhoso, com minha atriz e personalidade feminina favorita. Aquela cuja paixão pelos palcos e pela vida era tamanha, que me fascinou e me fez transformar também numa atriz - Miss Vivien Leigh.
Era fim de tarde. Eu estava à toa sentada na varanda de minha casa(a do 2º andar). Olhava para frente, cabeça vazia, quando de repente observei que a vizinha ilustre também estava sentada em uma confortável cadeira na varanda de uma casa em frente à minha: era Vivien Leigh. Olhem como são os sonhos: Vivien era minha vizinha! Mas como nestes casos não há anormalidades, olhei-a sentada e achei comum, até porque, naquele momento era como se Lady Olivier já morasse na minha rua há muito tempo. Notei que várias pessoas estranhas, fãs, desejavam falar com ela e batiam à sua porta. Ela atendeu duas delas, muito gentil. E eu observando tudo de longe. Com aquilo tudo acontecendo diante de meus olhos, pensei: "Será que ela me receberia"?
Mesmo a uma pequena distância, sua beleza quase infantil se destacava. O mesmo para a elegância da dama inglesa, que mesmo sentada na varanda, portava imponente realeza. Não sei como, mas no momento seguinte estava diante dela. Não me espantei como no caso de Olivia de Havilland. Ao contrário, me portei naturalmente com Miss Leigh, pois me senti confortável com ela quando me apresentei e disse-lhe que também era atriz e que atuava nos palcos. Ficamos à vontade uma com a outra, pois afinal, éramos colegas de profissão. Tenho 1,54cm de altura. Vivien era quase do meu tamanho, tão pequena e delicada, que acreditei na hora que suas roupas podiam caber em mim!
Ela estava jovem, como no final dos anos 30: camisa de seda por dentro de uma calça de cintura alta, feita de linho. Era como na época em que filmou 21 DAYS TOGETHER, ao lado de seu tão amado Laurence Olivier. Nossa conversa era incomum: só eu falava...e como falava! Ela permaneceu ouvindo o tempo todo. Ouvia com total atenção, sem desviar o olhar um segundo sequer. Mas falava com o olhar. Quando a elogiei, dizendo que era o meu exemplo de atriz e de ser humano, ela sorriu. Estava muito calma, principalmente levando em consideração as coisas que a menina aqui estava a dizer para ela.
Eu desabafei. Disse-a o quanto era extrovertida e parecida com ela quando criança. "Depois dos 12 anos eu passei a ser introvertida e tímida demais..." Os gestos exagerados de minhas mãos imprimiam meu desespero. Minha fala frenética acompanhada  ao discurso dramático expressavam meu sofrimento. Falei tanto, que devo ter dito todos os desagravos pelos quais passei. Falei da Depressão e "...queria tanto ser como você, ter sua vivacidade, ser incansável...". Ela me sorriu, mas continuava sem uma palavra. Foi quando de repente, saltou da cadeira como uma garotona e começou a fazer mímica para mim e finalmente falou...coisas ininteligíveis.
A única coisa boa que me lembro é que sua mímica era para eu parar de sofrer e que eu não poderia continuar daquele jeito. Então, veio a mensagem final, totalmente nítida: "Você TEM que melhorar". Quando acordei, me lembrei de ter lido que quando recebia os amigos, até na época em que era casada com o primeiro marido, o advogado Leigh Hollman, gostava de brincar de mímica com eles. Aquela brincadeira em a pessoa tinha que acertar o nome de um filme ou de uma personalidade através da mímica. Era isso. Sei que ficamos um longo tempo naquela varanda. Foi muito tempo. Os mistérios são indesvendáveis mas uma coisa posso dizer: foi um momento mágico e eu acredito que ninguém morre de todo. Esta madrugada(18/10/2011) foi especial.

11 comentários:

Jefferson Clayton Vendrame disse...

Olá Daniela, Fique a vontade para me seguir,fico lisonjeado em receber sua visita e saber que gostou do meu simples blog, rasgações de seda a parte, mas seu Blog é muito bom, essa foto de Garbo já na entrada é muito forte, fantástico,é um dos que mais gosto de ler. Espero que possa tbm me seguir pra sempre estarmos em contato.Abraço

Daniele Moura disse...

Obrigada, Jefferson.
Fico muito contente que você goste. Fazemos um trabalho com paixão e isso é muito importante.
Seja bem vindo ao Grupo de Blogs de Cinema Clássico!
Um abraço

disse...

Dani, que sonho incrível! Uma pena que eu não sonho com meus ídolos...
Adorei a descrição dos detalhes e a mensagem que a Vivien deixou para você. Acredito que o conselho foi ainda mais especial partindo dela.
Bom saber que você também é baixinha!
Beijos!

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Fico impressionado com seus sonhos, amiga... Ai, que inveja (boa...rs)... Queria tanto sonhar conversando com Jennifer Jones ou Errol Flynn... Nunca sonhei com artistas, nem de raspão... rs...
Beijos


- Não gostei nada do ano de fundo verdão... o anterior era ótimo... Que tal um abóbora? ou um amarelo?

Daniele Moura disse...

Ah, não gostou? Eu achei este verde tão lindo! Gosto de abóbora, mas amarelo só se for clarinho.
Estes sonhos são bem realistas , vocês não acham? Até eu me impressiono quando acordo. É incrível.
Um abraço
Dani

Carla Marinho disse...

Oi Dani!!

Daniele Moura disse...

Oiii!!!

alan raspante disse...

que sonho mais gostoso =)

Daniele Moura disse...

hehe, pois é, muito!

Faroeste disse...

Um sonho tão fantastico que desconheço quem não gostaria de ter um assim. Muito lindo, Dani.
jurandir_lima@bol.com.br

Daniele Moura disse...

Pois é, muito lindo e muito real também.