Todos os textos contidos neste blog são de propriedade intelectual da autora. Proibida reprodução total ou parcial sem autorização.

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Gregory Peck em "MacArthur", 1977

Concepção e texto: Paulo Moura
Pesquisa: Daniele Moura

Aos amigos que apreciam como eu o blog de Daniele Moura, peço licença para externar aqui a minha alegria por ter revivido hoje um momento maravilhoso com relação ao cinema, que eu sempre apreciei. Trata-se do magnífico desempenho do ator Gregory Peck no filme MACARTHUR - O GENERAL REBELBE, que retratou principalmente a infeliz atitude do americano em lançar bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki, como meio de deter os japoneses.
Eu quase posso afirmar que neste filme o ator teve seu melhor desempenho da carreira e me fez voltar à época das grandes produções, nos áureos tempos do cinema americano. Observem a sequência onde o General faz um pronunciamento aos chefes de Estado e aos japoneses, assinando a remissão sobre os horrores da guerra, bem como às vítimas que morreram nas matas, campos e mares. O filme tem um segundo momento parecido, o final, com um belíssimo monólogo interpretado pelo ator, que representava  o discurso de adeus de Douglas MacArthur. À minha filha, obrigada pela oportunidade e parabéns por este blog, que nos permite apreciar o que é bom.
Paulo Moura.

MACARTHUR, DIRIGIDO POR JOSEPH SARGENT: GREGORY PECK FOI INDICADO A UM GLOBO DE OURO COMO MELHOR ATOR.

Gregory Peck, nascido na Califórnia em abril de 1916, tinha acabado de sair de um grande sucesso do gênero Terror, A PROFECIA, lançado um ano antes de MACARTHUR. Ele se manteve ativo no cinema até  o início dos anos 90, numa carreira que conta com mais de 50 filmes. Desde o início de sua jornada cinematográfica, com DAYS OF GLORY(1944), de Jacques Tourneur, Peck acumulou grandes trabalhos que vão de SPELLBOUND(1945), de Hitchcock, ao lado de Ingrid Bergman, passando pelo fantástico DUEL IN THE SUN(1946), disputando o amor da personagem de Jennifer Jones com Joseph Cotten. No ano seguinte, em GENTLEMEN'S AGREEMENT, de Elia Kazan, ele é um escritor envolto em um assunto bastante polêmico: a questão do anti-semitismo na América. Em 1962, Gregory Peck estaria de volta à polêmica com o aclamado TO KILL A MOCKINGBIRD, de Robert Mullingan. Desta vez seu personagem é um advogado de defesa ao lado de um homem clamando inocência diante da acusação de estupro. O problema é que o acusado no banco dos réus é negro e a vítima, uma mulher branca. O resultado foi um Oscar de Melhor Ator e mais dois por melhor Direção de Arte e Roteiro Adaptado. Ainda inclusos em seu currículo estão HOW THE WEST WAS WON, no mesmo ano, de John Ford; THE GUNS OF NAVARONI(1961), THE SNOWS OF KILIMANJARO(1952), de Henry King, dentre outros. Hoje um ícone do cinema, Gregory Peck faleceu em 2003 e dentre seus últimos filmes está a segunda versão de CAPE FEAR(1991).

9 comentários:

ANTONIO NAHUD JÚNIOR disse...

Gosto muito do jeito de bom moço de Peck, se bem que ele está ótimo como o vilão de DUELO AO SOL. Um dos filmes dele que mais gosto é o injustamente criticado O ÍDOLO DE CRISTAL, onde faz o escritor F. Scott Fitzgerald. Parabéns a seu pai pela recordação de um grande ator, Dani.

O Falcão Maltês

Ricardo disse...

Adoro Gregory Peck (lembra de Rita Lee cantando "Se a Deborah Kerr que o Gregory Peck"?). Nao é o do seu tempo... é da minha geracao... mas talvez voce conheca... rsrsrsrsrs... Deixei uma boa mensagem para voce em resposta ao comentário (que adorei) na Tertúlia sobre Liza... Beijo, Linda! Ricardo

disse...

Gregory Peck era muito talentoso e carismático. Adorei ver se pai também neste espaço. Pena que ninguém na minha família tem talento literário para aparecer no meu blog!

Carla Marinho disse...

Dani!!
Post indicado aos leitores do Grupo de Blogs de Cinema Clássico:
http://blogsdecinemaclassico.blogspot.com/2011/10/links-da-semana-de-26-de-setembro-2-de.html

Daniele Moura disse...

Pessoal, muito obrigada pelos comentários.
Antonio, ainda não vi Ídolo de Cristal. Vou conferir.
Ricardo, vou olhar a mensagem. É claro que eu lembro da música de Rita. Não é do meu tempo, mas eu conheço. Foi tema de abertura da novela Final Feliz, não foi? Linda aquela abertura.
Lê, meu pai ficará muito feliz em saber que as pessoas gostaram do pequeno texto que ele fez.
Carla, já estive lá GBCC. Obrigada!
Tenham todos uma ótima semana!

Faroeste disse...

Gregory Peck foi um exemplo de caráter e personalidade dentro e fora das telas. Sua dignidade e honra aflorou marcante em sua vida totnando sua carreira um seguimento dela.
Como ator esteve sempre perfeito em tudo o que fez, numa lista onde O Idolo de Cristal, Duelo ao Sol e Da Terra Nascem os Homens, meus filmes seus preferidos, dão uma amostra do que deixou como legado aos seus muitos fãs.
Não vi MacArthur, infelizmente, mas estarei à cata do mesmo para me deliciar com mais uma de suas magnificas interpretações, conforme tudo o que fez e conforme também informação da colunista deste blog. Uma beleza este post!
jurandir_lima@bol.com.br

David C. disse...

Gregory Peck fue un actor genial.

Daniele Moura disse...

Obrigada , pessoal!

Charis disse...

Awesome!